Sustentabilidade

Pelo terceiro ano consecutivo a temperatura da terra é recorde

Pelo terceiro ano consecutivo a temperatura da terra é recorde

(texto)

Os indicadores a longo prazo para as mudanças climáticas, como o aumento das concentrações de dióxido de carbono, o aumento do nível do mar e a acidificação dos oceanos, continuam a crescer de forma preocupante

Pelo terceiro ano consecutivo a temperatura da terra é recorde, desde a criação, em 1880, dos registros meteorológicos. A temperatura média global da Terra, entre janeiro e setembro deste ano foi, aproximadamente, 1,1 graus Celsius acima da era pré-industrial. É o que divulgou a Organização Meteorológica Mundial (OMM) no último dia 6 de novembro, durante a abertura da 23ª Conferência do Clima, em Bonn, na Alemanha.

É a primeira vez que os representantes de quase 200 países se reúnem depois do presidente norte-americano, Donald Trump, ter anunciado que os Estados Unidos iam sair do Acordo de Paris.

Assinado em dezembro de 2015, o acordo entrou em vigor em novembro de 2016, como um esforço global para reduzir as emissões atmosféricas de dióxido de carbono e limitar a subida da temperatura do planeta aos dois graus Celsius ou, de preferência, aos 1,5 graus.

Embora ainda não seja o balanço final para 2017, a OMM diz que estamos a caminho de concluir o terceiro ano mais quente. Este balanço provisório foi divulgado uma semana depois de a OMM ter divulgado que a concentração de dióxido de carbono na atmosfera atingiu um recorde, chegando a 403,3 partes por milhão, um valor que não acontecia entre três e cinco milhões de anos.

Desde 2016, um acompanhamento em tempo real mostra que os níveis de dióxido de carbono, metano e óxido nitroso continuaram a aumentar durante 2017, conforme o comunicado da OMM, que acrescentou que os indicadores a longo prazo para as mudanças climáticas, como o aumento das concentrações de dióxido de carbono, o aumento do nível do mar e a acidificação dos oceanos, continuam a crescer de forma preocupante.

“Os últimos três anos estiveram todos no top 3 em termos de recordes de temperatura. É parte de uma tendência de aquecimento a longo prazo”, alertou o secretário-geral da OMM, Petteri Taalas. “Tivemos testemunho de condições climáticas extraordinárias, incluindo de temperaturas superiores a 50 graus Celsius na Ásia, um número recorde de furacões em pouco tempo no Caribe e no Atlântico até à Irlanda, inundações devastadoras provocadas pelas monções que afetaram muitos milhões de pessoas e uma seca implacável na África Oriental”, conta.

(texto)
Fonte/Autor do Conteúdo Postado

Comente com seu Facebook

Deixe um Comentário