Gerais sobre Natureza/Ambiente

Startup cria aplicativo de reconhecimento facial para combater tráfico de humanos

(texto)

São muitas as histórias que ouvimos de pessoas que desapareceram sem deixar qualquer pista do nada. Em muitos casos relatados pessoas são sequestradas para serem vendidas e usadas em negociações de tráfico de humanos.

Com base em dados e números apresentados nos últimos anos uma empresa resolver desenvolver um software que tem como principal plataforma a inteligência artificial para fazer o reconhecimento facial e localizar vítimas de tráfico de órgãos humanos.

A startup desenvolveu um aplicativo que utiliza inteligência artificial para rastrear e mapear áreas do rosto em seus mínimos detalhes e comparar com registros anteriores sobre o nascimento e origem de determinada pessoa. Com isso, a startup visa diminuir ou até mesmo acabar com o problema de tráfico de humanos.

Para muitas pessoas o reconhecimento facial leva a uma invasão de privacidade sem ser autorizado e pode ter grandes consequencias no futuro. A tecnologia está sendo desenvolvida para ajudar as pessoas e diminuir alguns problemas existentes há décadas, afirma a CEO da Empresa.

A possibilidade de a inteligência artificial ajudar as pessoas nas próximas décadas já é considerada uma realidade para muitos cientistas, pesquisadores e prinicipalmente para os desenvolvedores.

A Marinus Analytics é uma startup que licencia tecnologia para aplicação da lei com o propósito expresso de combater o tráfico de pessoas. Sua fundadora e CEO, Emily Kennedy, criou um programa chamado Traffic Jam durante seu tempo na Carnegie Mellon, que usa ferramentas de IA para identificar vítimas. Atualmente, o Traffic Jam está disponível para qualquer agência de segurança pública que trabalhe com a Marinus.

Todas as outras histórias sobre reconhecimento facial dão a impressão de que a tecnologia está sempre sendo usada para fins um tanto inquietantes. Por exemplo, apenas nos últimos meses, tem sido usado para espionar crianças em idade escolar entediadas, escolher um fugitivo de uma multidão de milhares de pessoas e impedir que as pessoas ofereçam ingressos a seus amigos para um evento.

Mas este é um exemplo de como o reconhecimento facial pode ser usado para ajudar algumas das pessoas mais vulneráveis e predadas do mundo. Muitas das vítimas do tráfico de seres humanos são crianças, e qualquer tecnologia que ajude as crianças ou impeça os monstros de feri-las precisa ter seus méritos.

Fonte: thenextweb

(texto)
Fonte/Autor do Conteúdo Postado

Comente com seu Facebook

Deixe um Comentário